domingo, 30 de maio de 2010

Medos

Hoje tive muito medo, pois achei que não conseguiria fazer a prova do Concurso que me inscrevi. Medo de não conseguir sair da cama; medo de ter pensamentos ruins; medo de não ficar bem e ficar apavorada na hora de entrar na sala para realizar o teste. Medo de fracassar...

Contudo, me surpreendi porque levantei bem, passei a manhã quase que tranquila (um pouco ansiosa e fumando mais do que o normal, é certo, porém equilibrada). Fiz uma refeição leve, me arrumei e caminhei até o local destinado. Fiz a prova! Se eu fui bem, não sei, mas enfrentei meus fantasmas.

Apresento aqui um texto muito bom que fala sobre o medo e me ajudou a entender melhor que "A única coisa da qual devemos ter medo é do próprio medo." (Franklin Roosevelt)


Mas afinal o que é o medo?

O processo de criação do medo acontece no cérebro. As causas podem ser reais ou inconscientes. Medo de ir, medo de sair, medo de uma consulta, medo de sofrer, medo de se envolver e sofrer, medo de preconceito, medo de fracassar, medo de não ser aceito, etc.. etc…

Não são os medos previsíveis, reais e sim os medos possíveis que nos fazem perder a noção da realidade, que nos paralisam, que dificultam nossa vida e nossas decisões. O medo da vida com suas inseguranças, automaticamente nos leva a recuar diante do viver intensamente ou do desfrutar as ocasiões e as oportunidades. É certo que, diante de tantos acontecimentos brutais, a insegurança é a tônica em nosso dia a dia. O lazer tornou-se moderado e restrito a determinados lugares e horários. É sábio o cuidado e a ponderação na escolha das saídas e igualmente necessário. Esses são os medos reais. Mas e aqueles que provocam uma ruptura em nosso viver?

Como são mencionados acima, é frequente ouvir:

“Não quero me envolver, porque tenho medo de sofrer.”

“Não quero fazer determinado exame, porque não quero saber o que eu tenho.”

“Não posso ir lá, porque tenho medo que tal e tal possa me suceder.”

Esse é o medo castrador que ultrapassa o bom senso e vai além daquilo que é saudável para nossa vida. Há limites nesse medo.

Precisamos da sagacidade para distinguir esses dois tipos de medo, onde o primeiro nos coloca em vigilância e prudência de comportamento e o outro nos tira “vida”, nos tira perspectiva, nos enclausura, nos aprisiona, nos coloca ilusoriamente protegidos, mas ao mesmo tempo infelizes por não nos permitir participar ativamente de algo que nos faz bem. O medo das pessoas é muito frequente; medo de ser julgado e mal interpretado e por isso omitimos nossas opiniões; não queremos ser vistos, observados, evitando assim um comentário sobre nossa aparência, etc… Isso tudo nos coloca num conflito, pois o ser humano precisa do contato humano, precisa da porção lazer, precisa da amizade e mais que tudo, precisa sim, ser confrontado com as ousadias do desconhecido para crescer e amadurecer.

Geralmente o – deixar de ir implica na visão somente de um lado: o negativo. E quem disse que o contrário não pode acontecer? É um exercício de desafios e de fé. Um desafio que nos coloca em posição de alerta sim, mas nos empurra a desfrutar da porção boa e gratificante que é viver dos momentos bons com que nos deparamos.

Mas o medo está sempre presente, até como sinal de alerta e nos obrigando muitas vezes a sermos mais fortes que o próprio medo e construir algo melhor.
(Texto recebido por e-mail de MFernanda Picoto - Imagens Thê Procopio)

domingo, 23 de maio de 2010

Catarse e Epifania

Assistindo o programa “Afinando a Língua”, da TV Futura, aprendi muito sobre essas palavras, até então desconhecidas por mim.

“Segundo Aristóteles, filósofo grego, a palavra catarsis significa "limpeza da alma". Sempre traduz a ideia de PURIFICAÇÃO, limpeza, libertação, superação feliz, consciente , no ato, de alguma forma de opressão, estranha à essência do ser, que influindo na expressão da sua verdade interior , corrompe e faz sofrer. Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência ou do significado de algo. O termo é aplicado quando um pensamento inspirado e iluminante acontece, que parece ser divino em natureza.” (Wikipedia)

Identifiquei-me com esses termos, numa situação de minha vida, quando, no programa, a entrevistada falou sobre desilusão amorosa: O fim de um relacionamento é doloroso, mas pode causar uma transformação e amadurecimento. É o que acontece comigo, no momento, pois sinto que, aos poucos, minha alma está se purificando...


My Savior, My God

domingo, 16 de maio de 2010

Driblando a ansiedade

Esta semana foi bem agitada, pois minha mãe e eu fomos para São Paulo visitar meus familiares, além de comemorar o aniversário de meu irmão.
 
Enquanto arrumava a mala, não sabia o que levar porque o tempo por aqui estava quente e, pelo noticiário, uma frente fria estava por vir. Minha ansiedade era muito grande e não via a hora de chegar. Eu estava com saudade de todos. E, ao vê-los, fiquei bem contente. Diverti-me muito: no sábado, visitamos uma amiga e almoçamos com ela; de noite, junto com tios e primos, jantamos num restaurante chinês; passamos o domingo das Mães na casa de minha irmã; fiquei a segunda-feira na minha avó; na terça, o dia foi reservado para ficar com meu irmão, e à noite fomos ao teatro.
 
Num piscar de olhos, chegou o dia de voltar... Passou rápido, mas valeu cada minuto! O que não estava programado era ter esquecido meu carregador de celular em algum lugar em São Paulo... E isso bastou para me deixar por demais ansiosa e apreensiva. Mas, isso já é uma outra história...
 
A mente humana é como um grande teatro. Seu lugar não é na platéia, mas no palco, brilhando na sua inteligência, alegrando-se com suas vitórias, aprendendo com suas derrotas e treinando a cada dia para ser... o autor da sua história, o líder de si mesmo.” (Augusto Cury)
 
 

domingo, 9 de maio de 2010

Agradecimento

Nesta semana muitas pessoas elogiaram o meu blog. Fiquei muito feliz e assim me sinto incentivada para continuar. Criar o blog foi uma realização pessoal muito agradável. Quero, neste espaço, contar um pouco de mim e do meu dia-a-dia, e poder compartilhar o jeito que lido com minha oscilação de humor.

Agora tenho mais responsabilidade para com o meu visitante e minha meta é oferecer algo de bom nas minhas postagens. Muitas vezes, o que me parece impossível torna-se possível, quando acredito mais em mim.

Que eu nunca peça para ficar livre dos perigos e sim tenha coragem de enfrentá-los. Que eu nunca mendigue a paz para a minha dor, e sim coração forte para dominá-la. Que eu não procure aliados na batalha da vida, e sim minha força. Que eu não anseie medrosamente pela salvação, e sim tenha esperança e paciência para conquistar minha liberdade. Senhor concede-me a graça de não ser tão covarde para sentir Tua misericórdia apenas em meu triunfo. Permita-me encontrar o aperto de Tua mão dentro do meu fracasso" (Tagore)

“Suportar a tristeza insuportável... E avançar para onde os bravos não ousam ir...”

domingo, 2 de maio de 2010

Projetos

Estou me preparando para o concurso de recenseador para o IBGE. Nesta fase, estou estudando e revendo algumas matérias. Puxa, faz tanto tempo que aprendi alguns conceitos e parecem tão distantes...

Tenho um pouco de medo de enfrentar a prova, pois sempre foi o meu “fantasma”, mas sei que consigo superar e procurarei ficar tranquila no dia marcado para o exame. Quem sabe eu possa ter um bom resultado.

A vida não é um corredor reto e tranquilo que nós percorremos livres e sem empecilhos, mas um labirinto de passagens, pelas quais nós devemos procurar nosso caminho, perdidos e confusos, de vez em quando presos em um beco sem saída. Porém, se tivermos fé, uma porta sempre será aberta para nós, não talvez aquela sobre a qual nós mesmos nunca pensamos, mas aquela que definitivamente se revelará boa para todos nós.” (A. J. Cronin)


Minha tia Neninha enviou essas fotos que transformei em slides. São frutas e legumes que viraram obras de arte. Muito legal!

Nota: Acesse o site da campanha “Transtorno do Humor não tem graça” – de 1º de maio a 12 de outubro de 2010.